20 de set de 2013

O DINHEIRO

                             Júlio Lázaro Torma*
                                                  " Não podeis servir a Deus e ao dinheiro".
                                                                                           ( Lc 16,13)
  Neste final de semana  somos chamados a refletir em nossas comunidades cristãs sobre a questão da " opressão" e da " exploração" do pobre pelo rico.Que é falado em Amós (8,4-7) e em Lucas (16,1-13), na Parábola do administrador infiel,os dois textos são atuais em relação ao dinheiro.
  A sociedade em que Jesus morava e conhecia era muito diferente da nossa.Só as famílias poderosas de Jerusalém e os grandes latifúndiarios que moravam em Tiberíades podiam cunhar e acumular moedas de ouro e prata.Os camponeses apenas podiam viver com alguma moeda de bronze ou prata de baixo valor como nos fala o episódio da oferta da viúva ( Lc 21,1-4).
  Muitos camponeses não tinham dinheiro e viviam do sistema de troca e trocavam os seus produtos para a sua sobrevivência.
  Nesta sociedade Jesus fala do dinheiro com frequência não que ele era rico.Ele era um sem terra e sem trabalho fixo.Como Profeta ele tinha uma vida intínerante, dedicado as causas de Deus, que lhe permite falar com liberdade e com quem tem máxima autoridade ( Lc 4,32).
  Ele fala com o amor de Deus e aos pobres, na qual fez uma radical opção preferencial pelos pobres e excluídos e sai em sua defesa.
  Eis que Jesus não conhece " dinheiro limpo", mas sim o dinheiro sujo, que era fruto da corrupção e extorção práticado pelos ricos contra os mais pobres.Que aumentam os juros das dívidas, acima do que é o valor real.
  O administrador infiel usa todas a  sua desonestidade, como roubar do patrão e bem como extorquir daqueles que lhe devem, mostrando que o mundo é dos espertos, desonestos que acabam enriquecendo de uma hora para outra e que a sua " riqueza" é "injusta" e que o seu " dinheiro é injusto" fruto da desonestidade e da imoralidade.
  Porque não é fruto do trabalho honesto e foi adquirido injustamente sem a partilha com os pobres e famintos.
  O que pode acontecer com aqueles que adquirem injustamente a riqueza? Lucas deixa confuso nas palavras de Jesus:" Eu vos digo:fazei vos amigos com a riqueza injusta,para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebem nos tabernáculos eternos".
  O que Jesus quer dizer no trocadilho:" Seja amigo dos pobres, para que no dia em que ela vos faltar, eles vos recebem nos tabernáculos eternos"
   Ao dizer ele nos fala que o dinheiro adquirido injustamente, nos " afasta de Deus" e bloqueia a Salvação do homem, que fica agarrado á ele.Os pobres que vão nos anteceder no céu e nos acolher.
  Lucas comenta que os fariseus estavam , a conversa e debochavam dele, ao mesmo tempo em que diz que eles eram avarentos e amantes do dinheiro.Para os fariseus a salvação estava no cumprimento rigoroso da lei, e consideravam abençõados,os ricos que podiam cumprir as leis e podiam oferecer um bom número de animais para o sacrifício do templo, onde em troca Deus lhes abençoou.
  Mesmo está tradição ser fundamentada na Bíblia, essa visão da riqueza como sinal de benção não é Evangélica.Muitas pessoas falam do seu sucesso financeiro e prosperidade como uma bênção divina.
  Para Jesus os bens devem estar a serviço da vida,e eles são negativo, a riqueza é negativa quando gera a miséria e a pobreza do outro e não há partilha.
   O Verdadeiro discípulo de Jesus é aquele que não faz qualquer coisa com o dinheiro," pois a um modo de ganhar dinheiro, gasta-lo e de desfruta-lo e se torna injusto e pecado esquecer dos pobres"( José Antônio Pagola).
    Bom final de Semana e boas meditações
   ___________________
   * Membro do Colegiado Nacional da Pastoral Operária

Nenhum comentário: