16 de nov de 2012

Ninguém sabe a hora

                                 Júlio Lázaro Torma*
                                                             " O Fim está próximo arrependei-vós!"
                                                                            ( Cartaz num poste)
  O Evangelho de Marcos lido,meditado,rezado em nossas comunidades cristãs neste final de semana,nos fala numa linguagem escatológica,sobre o fim dos tempos.
  Estamos no termino do calendário litúrgico,próximo final de semana encerraremos o ano B( Evangelho de Marcos),iniciamos o ano C ( Evangelho de Lucas),e estamos próximos do fim do ano das festas natalinas e de revéllion.
  O Evangelho da comunidade de Marcos, usam uma linguagem apocalíptica,inspirada nos profetas Ezequiel e Daniel,o capítulo 13 é o Apocalipse de Marcos.O Evangelho de Marcos foi o primeiro a ser escrito,foi redigido pelos anos 70 do século I e as comunidades estavam espraiadas pelo império romano.
  As comunidades estavam vivendo um tempo de crise,desesperança,atordoadas pela perseguição,repressão sofrida por parte da religião oficial judaica e do império romano.
  Elas tinham presenciado os martírios de Estêvão,Tiago Maior ( At 7,1-8,1;12,1-2);as perseguições de Nero e os assassinatos de Tiago Menor ( 61/62),Pedro ( 64) e Paulo (67).
Bem como as revoltas judaicas e aparecimentos de pretensos messias,onde Paulo chegou a ser confundido como sendo um deles( At 21,38).
  Revoltas estás que levaram a destruição do Templo de Jerusalém,pelas legiões romanas do gen. Tito,filho do Imperador Vespaciano( 69-79),em Agosto de 70 e a diáspora do povo judeu.
  Em várias partes do império havia guerras,revoluções,golpes de estado que causavam fome e mortes.Muitos acreditavam em que o fim do mundo estava próximo,pois o mundo estava de cabeça para baixo e virado do avesso.
  Diante deste quadro Paulo escreveu aos Tessalonicenses e Romanos." Quem não quiser trabalhar,não tem direto de comer( II Ts 3,10),em relação aos que esperavam o final dos tempos e " que a criação geme com dores de parto"( Rm 8,22).
  Anunciando um novo tempo que se anuncia não no futuro,mas está presente.Não se trata de destruição,mas de um nascimento e acabamento da criação.
  O Apocalipse nada mais é do que a revelação e a nossa esperança que só acontecerá com Deus em nossa vida.
  Jesus usa simbolos do movimento profético para sinalizar os últimos tempos,ele rompe com o Templo e a religião oficial ao falar da destruição de Jerusalém que muitos de seus contemporâneos e conterrâneos presenciaram.
   Jesus fala em fim do mundo, mas numa linguagem de esperança,sem cair na tentação do medo, angústia, terror.A nossa epopéia humana na terra para Jesus e bem como para a ciência atual prevê que o mundo não é eterno e que vamos acabar.Esta vida acabará.
  O que vai ser das nossas lutas,obras, conquistas,aspirações,sonhos,desejos e patrimônio que fizemos? só de pensar nisso já caímos no desespero e depressão.
  Assim como no século I,ano 1000 e nos nossos dias as previsões que anunciam o fim do mundo para tal data, horário,ano por falsos profetas,cristos e messias,que em busca da fama fácil,tem causado pânico nas pessoas.
   Jesus desargumenta e desarma os profetas do agouro, ao anunciar, que " ninguém sabe,o dia,hora mas somente o Pai", que sabe o momento.
  O céu e a terra desaparecerá,a vida de sofrimento,dor e o poder opressor que causa tudo isso acabará.Onde nós devemos estar preparados para a nova criação, que é o Senhor Ressuscitado.
  Marcos usa a palavra que Cristo ressuscitado que virá com " grande poder e glória" e cuja luz salvadora iluminará tudo.Ele será o centro de um mundo novo e de uma nova humanidade.
  Jesus sabe que viver a sua mensagem é difícil, quantas vezes não desanimamos e pensamos em desistir,cair fora.olhamos quem não a vive e põe em prática,vivendo uma vida melhor do que nós?
  Assim como a figueira, no inverno parece morrer,a nossa vida também, ela se torna na primavera a dar flores e frutos.A nossa vida é como a primavera aos poucos da frutos.
  O nosso testemunho de fé dará os seus frutos não podemos colher e nem ver agora.
   Mas são pequenos sinais da construção de um mundo novo que está em gestação.Nossa luta por um mundo novo, melhor sem dor e sofrimento não se perderá.
   A nossa fé não é posta em coisas, mas em Alguém.Fé e Amor são de fato, ligados( vê a expressão " fé conjugal").Por isso que todas as passagens apocalípticas dos evangelhos falam do retorno de Cristo ou de sua vinda, a propósito das catástrofes humanas e naturais que descrevem.Mas tudo isso no final irá acabar diferente do que anunciam os profetas do agouro.
  É certo que Jesus Cristo já veio, mas foi para fazer seus todos os nossos sofrimentos.E fazendo-os seus, Ele os realizou, suportou-os venceu-os.O que agora nos é anunciado é que tendo feito seus nossos sofrimentos,Ele vem para fazer nossa a sua própria glória.
  O Evangelho nos diz que devemos ter esperança e não medo,acreditar em Jesus Cristo cujas palavras não passam e não devemos crer nos falsos messias e profetas do agouro que causam pânico por ai.E que irão ficar apagados em algum cantinho da história.
   "O céu e a terra passarão, porem minhas palavras não passarão"( Mc 13,31)
              Bom final de semana e boas meditações
                             Mc 13,24-32
_____________________________
  * Membro da Equipe Arquidiocesana da Pastoral Operária de Pelotas / RS

Nenhum comentário: