10 de out de 2013

A TUA FÉ TE SALVOU, LEVANTA-TE

                                         Júlio Lázaro Torma*
                                            " Não houve quem voltasse para dar glória a Deus a não ser este
                                                                                                            estrangeiro"
                                                                                                              ( Lc 17,18)
  O Evangelista Lucas, nos apresenta a terceira etapa da caminhada de Jesus para Jerusalém, estamos na reta final. Agora Jesus nos fala do invisível que é o Reino de Deus que se anuncia em nosso meio.
    Jesus caminha pela Galiléia ( Norte), Samaria ( Centro), rumo a Jerusalém ao sul. Neste percurso ele encontra dez portadores de hanseníase e um deles era um estrangeiro natural da Samaria.
   Os samaritanos eram pessoas desprezadas pelos judeus,por terem sido colonizados no século VII a.C,por povos estrangeiros trasladados pela política de instalação do império Assírio (II Rs 17,24-41), onde houve uma micegenação com a população pobre que havia ficado no territorio após a destruição do Reino do Norte.
   Os portadores de hanseníase segundo a lei Mosaíca (Lv 13-14), deveriam ficar longe das pessoas para evitar o contágio e era considerado impuro quem tivesse algum contato com eles. A comprovação de sua cura era reconhecido pelo Sumo Sacerdote, a autoridade máxima que tinha a missão de reintegra-los ao convivio da comunidade e da sociedade.
   O Evangelista faz um paralelo entre a missão de Jesus e de Elias.Jesus nas comunidades lucanas é o " novo Elias". Aqui a cura do samaritano é o paralelo ao sírio Naamã ( II Rs 5,14-17), curado pelo profeta Eliseu, como falava Jesus:
   " Igualmente no tempo de Eliseu havia muitos leprosos, mas nenhum deles foi limpo senão o sírio Naamã ( Lc 4,27).
   Lucas não está interessado, como se deu a cura dos portadores de hanseníase ( lepra), mas na fé deles.Onde nos fala do encontro de Jesus com aqueles que mais sofrem e que estão jogados as margens da sociedade que cada vez mais exclui as pessoas.
   Jesus cura dez portadores de hanseníase, que se alegram ao integrar a sociedade.O estrangeiro volta a Jesus para agradecer a dupla inclusão a sociedade em que estava excluído por ser estrangeiro e por estar portando uma doença endêmica.
   Olhando a passagem nos mostra de que a Igreja ( comunidade), não deve ficar fechada, isolada em ritualismos, normas e dogmas que acabam afastando as pessoas da FÉ, mas que deve ligar as pessoas a mensagem libertadora trazida por Jesus. 
   E ao mesmo tempo em que nós não devemos privatizar a mensagem de Jesus como se nós fôssemos os únicos e verdadeiros destinatários.
   A Fé ela transpõe as barreiras, que divide o ser humano, onde através da fé o estrangeiro Naamã e o samaritano, considerados impuros, excluídos, são lavado" batizado" ( purificado) e curado, resgatado e começam a participar da comunidade e tem a vida.
   O samaritano não crente, agradece a Jesus por te-lo dado a vida e a dignidade. 
    Muitas vezes nós crentes nos esquecemos de glorificar e agradecer a Deus. Enquanto aqueles que não estão na nossa grei, não conhecem Jesus e que ficam indiferente, não práticam a religião.Sentem a maior admiração por Jesus, do que nós cristãos.
  Bento XVI, advertia que um agnóstico em busca pode estar mais próximo de Deus do que um cristão rotineiro que é só por tradição e herança.
   Uma Fé que não gera nos crentes alegria é uma fé enferma.
             Boas meditações
                  Lc  17,11-19
_________________________
   * Membro do Colégiado da Pastoral Operária Nacional

Nenhum comentário: